sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Tarde chuvosa - conto erótico


Enquanto assistiam um filme a tarde, com a chuva caindo lá fora, Leandro se imaginava possuindo o corpo de Aline, sua cunhada que estava deitada em outro sofá.  
Os dois estavam sozinhos em casa, a irmã da Aline estava trabalhando na ocasião.

Aline era uma mulher jovem, pele morena, olhos castanhos escuros que encantavam quem olhasse para ela. Leandro, pele clara, no alto de seus 26 anos era um rapaz fogoso, tinha uma mente pervertida, e ele adorava isso.

Quando o filme dá uma pausa ele parte para cima dela...Sutil a principio. 

Com beijinhos tímidos ele começou a acender o fogo de sua cunhada, que não o rejeita, beijos no rosto todo. Logo a língua entra em ação, e encontra a língua de Aline, ela também estava com tesão, só esperando a atitude do seu cunhado.  

As mãos dele deslizam levemente pelos ombros dela, derrubando a alça da blusa e expondo aqueles belos seios arrebitados, bicos rosados, eriçados de tesão pelo toque da mão quente do seu cunhado. Ela fechou os olhos para não mais ver, somente sentir.

Leandro tirou sua camisa, deixando a mostra seu peitoral, os pêlos causavam arrepios quando encostavam na pele desnuda de Aline, ao mesmo tempo que a moça gemia, o pau de Leandro crescia dentro da cueca. Ele queria ela, ele queria o corpo quente dela...Ele a desejava...Os olhos dele ardiam de tesão... A pele de Aline esta cada vez mais corada, arrepiada...De olhos fechados ela não imagina onde será o próximo toque de seu cunhado, até ele tocar.

Após um longo tempo de toques, caricias e gemidos, Leandro levanta a saia de sua fêmea, expondo uma calcinha vermelha, ensopada. Ele fica feliz de saber que causava isso nela. Ele se aproxima da buceta dela e inala, sentindo o cheiro de putaria, aquele odor penetra em suas narinas e faz seu pau pulsar. Ele quer libertar seu membro da cueca.

Num rápido movimento ele faz sua cunhada sentar, e ainda de olhos fechados ela sente algo quente, molhado, encostando em seus lábios. Ao tocar com a ponta da língua, ela logo reconheceu aquele gosto...Era o pau de seu cunhado, aquele que ela tanto sonhava em sentir.

Gulosa como era, ela engole o máximo que pode, até quase sentir as bolas de Leandro no seu queixo. Ela começa a lamber a virilha lisinha dele e ele suspira enquanto aprecia aquela cena maravilhosa.

Aline abre os olhos e em sua frente ela tem um pau duro e grosso e seu homem... e que naquele momento ela queria dentro dela.

Ela faz a maior cara de vadia, dá um sorrisinho com o canto da boca e suavemente ela passa a língua desde as bolas até a cabeça babada daquele pau.

As pernas de Leandro ficam bambas de tanto tesão, que ele se ajoelha em frente de Aline e a beija, o gosto do seu pau esta na boca dela. Enquanto as línguas se enrolam ele belisca o bico dos seios dela, desce as mãos até a calcinha e começa a massagear aquela buceta que latejava, desejando ser invadida.

Leandro encosta sua cunhada no sofá e desce beijando o corpo dela, suga aqueles seios, massageia os bicos enquanto masturba seu pau, a pele vai e vem naquele pau grosso e babado.

Descendo mais um pouco ele encontra a calcinha, puxa ela pro lado e cai de boca, beija aquela buceta como se fosse uma boca, usa a língua para alcançar o ponto mais escondidos lá no fundo... Aline geme alto... Usando a ponta da língua, Leandro lambe o clitóris e começa a mexer nos lábios com os dedos...Um dedo penetra a buceta enquanto a língua trabalha forte. Com movimentos de vai e vem Aline não resiste e agarra seu cunhado pelos cabelos, querendo que ele vá cada vez mais fundo com a língua, agora são dois dedos lá dentro... Movimentos de vai e vem são feitos e ele faz sua cunhada gozar pela primeira vez. Aline deixa o sofá e as mãos de seu cunhado encharcadas.
Leandro quer mais, quer ver sua cunhada gozar mais, quer ela gritando de tesão, ainda com as pernas moles aquela fêmea é colocada de quatro no sofá, com as pernas afastadas para sentir aquele pau delicioso esfregando em sua buceta. Numa estocada rápida e forte ela é penetrada e solta um urro abafado.

Ela havia se transformado numa puta e começou a jogar a bunda para trás, rebolava, gemia, falava que queria era ser fodida e pediu para Leandro por o dedinho em seu cu.

Prontamente ele atendeu, Tirou o pau de dentro dela, se abaixou e lambeu aquele cuzinho deixando molhado para seu dedinho entrar, voltando a meter dentro da buceta, ele afastou as nádegas e com o dedo começou a alisar o cu dela, um tesão sem tamanho possuiu ela quando ele começou a fazer dupla penetração nela.

Querendo mais ela se levantou, tirou o pau dele de dentro dela, e colocou na entrada do cu, lentamente ela foi jogando o corpo para trás até sentir tudo dentro dela, para aliviar um pouco a dor inicial ela começou a se masturbar, alisava o clitóris e teve o seu primeiro orgasmo anal. Principalmente quando ele deu vários tapas na bunda dela, chamando-a de vagabunda, de putinha, dizendo que queria ela sempre vadia assim.

Leandro já não estava mais aguentando e disse que ia gozar, seu pau começou a inchar, as estocadas ficaram mais fortes, e com fortes espasmos ele soltou seu leitinho quente dentro dela, continuou metendo até seu pau amolecer dentro dela. 

Quando saiu de dentro dela, ele pode ver aquele cu todo babado, escorrendo leitinho, ele ficou maravilhado e extasiado com aquela cena.

Virando-se para ele Aline dá um beijo de língua em Leandro, e olhando nos olhos dele, ela promete que sempre que puder ela quer ser a puta dele.

Reações: