domingo, 3 de março de 2013

O gosto de uma traição. - Conto Erotico


Tudo começou quando flagrei o meu marido transando com a minha vizinha , que tinha um corpo tipo violão e frequentava a minha casa.

Após o ocorrido meu marido se excitava ao contar sua transa com a minha vizinha, e eu tambem, pois foi puro ato de sexo o que aconteceu entre eles, ele narrava com todos os detalhes a ponto de parecer real e eu gozava como nunca ao imaginar o meu marido com a outra. 

Depois de algum tempo eu comecei a provocar o meu marido contando que havia encontrado um antigo namorado, que no momento se encontrava casado, mas que havia demonstrado um grande interesse em sair comigo. No início reagiu com ciumes mas, após lembra-lo de que estava me devendo uma pela minha vizinha, ele acabou concordando, apenas não queria saber quando iria acontecer e isso me deixou molhada no momento.

Um dia, logo depois do almoço, meu marido foi trabalhar e eu me encontrava sozinha em casa, comecei a me masturbar no banho e resolvi ligar para o meu amigo, ao ligar ficamos nos excitando a tal ponto que logo marcamos um encontro em seu escritório. Ao chegar no local ele se encontrava sozinho e sem nenhuma cerimônia trancou a porta e começou a me beijar como nos velhos tempos.

A diferença era que antes não faziamos sexo e ele agora estava louco para tirar a diferença dos anos passados, ele começou a acariciar os meus seios por sob a blusa que logo tirada e jogada no chão, começou a lamber e a chupar os bicos de meus seios com tanta força e tesão que chegou a deixá-los marcados.

Eu já estava entregue para o imenso tesão que aquele homem despertava em mim, foi quando ele começou a meteu a mão por baixo da minha saia chegando logo na minha calcinha, que ele apressadamente tratou de afastar para o lado, e foi metendo um dedo no meio da minha buceta que naquele momento não tinha como molhar mais, cheguei a gozar no dedo dele enquanto continuava beijando calorosamenta a minha boca.
Logo ele me colocou deitada na mesa de seu escritório, afastou as minhas pernas e puxando a minha calcinha para o lado abocanhou sofregadamente toda a minha bucetinha. Ele começou então a me fuder com aquela língua tão gostosa que não aguentei por muito tempo, gozei desvairadamente na sua boca, comprimindo a sua cabeça entre as minhas pernas enquanto ele chupava e mordia o meu grelhinho como se fosse uma chupeta, isso me levava a loucura!

Depois da fazer eu gozar demoradamente em sua boca ele me despiu e tirou a sua roupa também, a visão daquele cacete duro, pulsante e cheio de veias grossas apontado para mim, que permanecia deitada na mesa anciosa para ser espetada por aquele cacete lindo, bem mais grosso e maior que a do meu marido, deixou a minha buceta mais ensopada ainda.
Mas ele parecia não ter pressa pois começou a bater a minha buceta com aquela pica dura a ponto de eu não aguentar mais de tesão e pedir implorando para que ele me fudesse logo. Ele então ajeitou a glande daquela picona entre os lábios encharcados da minha buceta, segurou me pela cintura e numa estocada firme e segura enterrou aquela toda lá no fundo da minha buceta me arrancando gemidos de dor e tesão. Depois de uns 25 min deitada na mesa com meu macho me fudendo deliciosamente, ele sentou-se na cadeira e pediu para que eu galopasse na sua pica.
Segurei aquela picona e ajeitei na entradinha da minha buceta, sentei em cima daquela tora até sentir as suas bolas encostarem na minha bunda, rebolei feito uma cadela no cío enquanto meu amante tratava de deixar mais algumas marcas nos meus seios, depois de algum tempo cavalgando em cima daquela tora ela foi ficando cada vez mais grossa, podia sentir o sangue de suas veias pulsando forte de encontro as paredes da minha buceta e segurando me firme em seu pescoço comprimi mais ainda a minha buceta de encontro àquela tora, o seu gozo explodiu dentro de mim no momento exato em que comecei a sentir uma forte onda de prazer invadir o meu corpo todo, gozamos feito dois desvairados.

Descansamos um pouco com aquela tora toda enterrada ainda na minha buceta, levantei de cima dele e guardei sua porra na minha calcinha como prova do meu feito. Na hora de dormir eu contei ao meu marido que havia saido e trepado com o meu ex-namorado, na hora ele não acreditou, peguei então a minha calçinha e mostrei a marca de porra para ele que fez uma cara de espanto com o que via, porém parecia ainda não acreditar na minha história.

Foi quando eu lhe mostrei os seios marcados, ai ele quase teve um troço, disse lhe que tudo fora apenas por sexo que não havia sentimentos envolvidos durante a transa e que ele me devia aquela pela minha vizinha. Foi quando ele começou a me beijar como um louco, nem parecia o meu marido de sempre, e começou a me fuder pedindo para que eu contasse cada detalhe do ocorrido naquela tarde.

Eu ainda sentia a vibração da pica do meu amante que havia me deixado toda ardida mas não poderia negar diante da vontade que o meu marido sentia de me fuder, relaxei e transamos a noite toda, como a tempos não acontecia. Fui despertada pela pressão da pica do meu marido na entradinha do meu cuzinho, que não tive coragem de dar para o meu amante, mas confesso que fiquei fantasiando com esse momento enquanto gozava com a pica do meu marido toda espetada no meu cuzinho!

Reações: